Sou mestre na arte de falar em silêncio. Toda a minha vida falei calando-me e vivi em mim mesmo tragédias inteiras sem pronunciar uma palavra.

"Neste mundo louco, as escolhas que tenho são poucas. Ou você virá comigo ou eu irei com você."
Noah Andrade.
"Eu nunca imaginei que eu seria capaz de amar você assim, pensei que logo ia passar que ia ser coisa pouca e que não iria durar nada. Que a gente teria um fim e logo passar, que ninguém sairia ferido dessa nossa historia. Mas me enganei, hoje com o nosso fim me sinto em desespero continuo, querendo tudo o que vivemos mais uma vez."
Caroline sobre Noah.
"Existem bandidos e mocinhos? Quem sempre diga a verdade, quem nunca minta? Bons e maus governos? Não, existem apenas governos ruins e outros ainda piores. Haverá o clarão de luz e calor rachando a gente de cima a baixo em uma noite em que se estiver trepando, cagando, lendo histórias em quadrinhos ou colando selos raros em álbum? A morte instantânea já não constitui nenhuma novidade, muito menos a morte instantânea em massa. Mas aperfeiçoamos o produto; podemos contar com séculos de conhecimento, cultura e descobertas; as bibliotecas estão aí, sempre aumentando, rodeadas e apinhadas de livros; grandes quadros são vendidos por centenas de milhares de dólares; a ciência médica já faz transplantes cardíacos; não dá para se diferenciar um louco de um são aí pelas ruas, e de repente, quando se vê, as nossas vidas dependem mais uma vez, de verdadeiros idiotas."
Charles Bukowski.   
"To sem chão, teto, parede, sem qualquer estrutura emocional."
Remontado.  
"Eu me vi em uma guerra, mesmo não querendo entrar em batalha. Não sabia o que fazer, então criei minhas próprias armas. A sobrevivência não tinha nada a ver com a sorte, e minha munição era invisível. Só me sentia protegido quando conseguia esconder algumas verdades, e descobri que meu colete não era a prova de fatos. Resolvi ficar atrás de uma barreira, me escondendo da vida e do tempo, pois eu sabia que ocultava provas que só eles poderiam revelar. Fui fuzilado e fiquei em pedaços, arrancaram meus segredos, e o pior de tudo, eles não avisaram que estavam chegando. Eu tinha uma estratégia, mas fui tão egoísta que não compartilhei com os meus aliados. E talvez essa fosse a única forma de ganhar a luta, dando tiros de sinceridade."
Sean Wilhelm.   
"Estou tentando organizar meus sentimentos para poder te escrever, mas confesso que ultimamente anda difícil. Ontem ao adormecer você foi o meu último pensamento e hoje ao acordar você foi o primeiro. Estranho isso não é mesmo? Porque você ainda insiste em tomar conta dos meus pensamentos? Isso é errado. Eu tenho certeza que é errado e ninguém precisou me dizer, eu sei que é. Hoje parei para pensar em nós, sim em nós, digo em tudo. Convivência, carinho, amor, companheirismo, amizade, sexo, afeto. Parei para pensar no que somos quando estamos juntos e no que somos quando vou embora. Você me tem fácil demais, não consigo dizer não quando você me olha daquele jeito que só nós sabemos. Adoro a sua cara de sono e o seu mistério, amo o seu sorriso e o seu olhar. Sei lá o que posso dizer desse nosso ”relacionamento”, só sei que eu tô amarradona nisso. Eu amo amar você, isso basta."
Para alguém que talvez nunca irá ler. (via capacitadora)
"E agora a vida se tornou o futuro. Todos os momentos da vida são vividos no futuro: você frequenta a escola para entrar na faculdade para arrumar um bom emprego para comprar uma casa legal e mandar os filhos para a faculdade para que eles consigam arrumar um bom emprego para comprar uma casa legal para mandar os filhos para a faculdade."
Cidades de Papel. 
"Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa. Do brinquedo que a gente não largava. Do acalanto que o silêncio canta. De passeio no jardim. Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo. Corre em outras veias. Pulsa em outro lugar. Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos Deus está dançando conosco de rostinho colado. E a gente ri grande que nem menino arteiro."
Ana Jácomo. 
"Mãe, tudo o que eu queria hoje era correr! Pegar uma via expressa, uma trilha na mata, uma beira de praia e só parar quando os sapatos apertassem. Fugir, mãe, fugir. Inventar uma melodia minha, gravar na mente e fugir. Largar os cachecóis, as malas, os casacos, os chapéus. Depois as meias, as camisetas largas e se possível, todas as minhas dores também. Do mais externo, ao mais interno, tudo o que eu queria agora, mãe, era o brilho da falta das lembranças. Não há brilho de estrelas hoje para mim. Tudo o que eu queria era arrancar os sapatos, os pesos de papel que me prendem ao chão e, na velocidade da luz, atravessar o mundo até me desmanchar em pedacinhos de poeira. Eu gostaria de me tornar uma nebulosa essa noite. Dormir no fim do percurso longo, eternamente, pelo universo. Mãe, é que eu cansei de ser gente. Eu cansei de sentir feito gente. Hoje eu quero voltar sozinha para o interior de um buraco negro, ainda que isso seja o maior perto do dramático que posso chegar. Cansei de ser um drama. Hoje, eu só queria fechar os olhos e correr até sentir os pés flutuarem. Eu cansei do peso do meu mundo. Hey, mãe! Eu gostaria de deixar tudo para trás. Hoje, eu gostaria de explodir, como os fogos de fim de ano, que se consomem em química e todo mundo aplaude."
Rio Doce 
"Mudaram as estações, nada mudou. Mas eu sei que alguma coisa aconteceu, tá tudo assim tão diferente. Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar que tudo era pra sempre, sem saber, que o pra sempre, sempre acaba. Mas nada vai conseguir mudar o que ficou, quando penso em alguém só penso em você, e aí, então, estamos bem. Mesmo com tantos motivos pra deixar tudo como está. Nem desistir, nem tentar agora tanto faz. Estamos indo de volta pra casa."
Legião Urbana.  
"Ontem chorei. Por tudo que fomos. Por tudo o que não conseguimos ser. Por tudo que se perdeu. Por termos nos perdido. Pelo que queríamos que fosse e não foi. Pela renúncia. Por valores não dados. Por erros cometidos. Acertos não comemorados. Palavras dissipadas.Versos brancos. Chorei pela guerra cotidiana. Pelas tentativas de sobrevivência. Pelos apelos de paz não atendidos. Pelo amor derramado. Pelo amor ofendido e aprisionado. Pelo amor perdido. Pelo respeito empoeirado em cima da estante. Pelo carinho esquecido junto das cartas envelhecidas no guarda-roupa. Pelos sonhos desafinados, estremecidos e adiados. Pela culpa. Toda a culpa. Minha. Sua. Nossa culpa. Por tudo que foi e voou. E não volta mais, pois que hoje já é outro dia."
Caio Fernando Abreu  
"Só porque estou perdendo, não significa que eu esteja perdido, não significa que irei parar, não significa que deva me render. Só porque estou sofrendo, não significa que estou ferido, não significa que eu não tenho o que eu mereço, nem o melhor e nem o pior. Eu apenas me perdi, toda porta que testei, estava trancada."
Coldplay.